1 de mar de 2010

Malditas flores

Domingo de manhã, desabando o céu, flores.
Pós Festa no sábado a noite, dilúvio, flores.
Sono, muito sono, raiva, flores.


Eles não se conheciam, ela havia tentado suicido um dia antes de se conhecerem. Após isso algumas ligações do tipo “liguei só pra saber se ta tudo bem”. Ela achava legal da parte dele, nada mais.
Algumas conversas no MSN, e ela já havia entediado, ele não notava os cortes. Resolveu ele então conhecê-la. Péssima idéia. Ela não atendeu ao telefone, “assim ele não virá”. Ilusão. Ele veio mesmo assim.
Domingo de manhã, ela caindo de sono, toda escabelada, desabando o céu, chuva gelada, ele, com poucas palavras, lhe entrega flores.
Ela fica surpresa, suas primeiras flores, mas não gostou muito. Estava com raiva. Afinal... Pós festa no sábado à noite, um verdadeiro dilúvio, chuva de verão, flores. E daí que são flores? Se não lhe interessavam? Ta certo que as flores vinham acompanhadas de uma viajem, era domingo de manha, ele acordou cedo e tal. Mas ela não se importava, queria dormir. Estava com sono, muito sono, raiva, flores. Quem se importa com elas em um domingo de manha, com uma chuva ótima pra dormir?
Realmente, baita egoísmo da parte dela. Acabou inventando um desculpa pra ele ir embora. Voltou a dormir, com uma raiva sabe se la de onde vinha. E com a sua frase de sempre na cabeça “a raiva anda junto com o amor, o seu contrario é a indiferença”. Fuja louco.


Sharyel Toebe

Nenhum comentário: